blog, Óleo

Óleo da caixa de marcha: tudo o que você precisa saber

O óleo de câmbio tem tripla função e é essencial para o bom funcionamento do sistema responsável pela troca de marchas. Opera como todo lubrificante, protegendo as peças internas contra a corrosão e o desgaste ao diminuir os efeitos do atrito entre as partes móveis. Além disso, atua refrigerando e limpando o sistema. Também executa a função de fluído hidráulico, transmitindo torque e manobrando peças internas do sistema.

Muitos motoristas desconhecem que este sistema precisa de lubrificação ou tem dúvidas sobre como fazer a manutenção correta desse fluido. As dúvidas geram em torno da necessidade ou não de trocar o óleo, o tipo de óleo a utilizar e com qual periodicide realizar a troca.

No texto abaixo, preparamos um resumo de informações e cuidados para que você observe esse item importante e evite ter sustos inesperados e desfalques consideráveis em sua conta bancária. Prevenir é sempre melhor e mais barato que remediar.

Óleo da caixa de marcha: tudo o que você precisa saber

Óleo do câmbio manual não deve ser trocado

Antes de tudo, sempre gostamos de dizer que não há regra geral para todas as caixas. Você deve sempre consultar o manual do seu carro, sempre! Cada projeto de automóvel é diferente e por isso as recomendações não são as mesmas para todos os modelos.

Entretanto, no câmbio manual, segundo Boris Feldman (engenheiro e jornalista com 50 anos de atuação na imprensa automomobilística, “a maioria das fábricas diz que o óleo dura a vida inteira sem necessidade de troca, apenas uma verificação periódica para conferir o nível. E que, se baixar, é sinal de uma anormalidade, um vazamento. Vale a pena lembrar que, ao contrário do motor, o óleo da caixa não sofre grandes variações de temperatura, não é queimado e expelido pelo escapamento nem contaminado pelo combustível. Então, no motor é normal o nível do óleo lubrificante baixar e por isso se recomenda uma verificação periódica puxando-se a vareta indicadora. No caso das caixas de marchas, se o nível baixa é sinal de irregularidade. Quando ocorre, deve ser completado emergencialmente até o carro chegar na oficina para o reparo do vazamento.”

Recomenda-se portanto, verificar o nível do óleo da caixa de marcha de vez em quando. Alguns mecânicos recomendam a cada 10 mil quilômetros ou no momento da manutenção periódica do carro. A falta do fluido na caixa, pode comprometer a lubrificação e causar quebras, exigindo manutenção de alto custo. É interessante também fazer a revisão do óleo da caixa caso você note alguma coisa estranha no funcionamento do câmbio, sobretudo ruídos que você não costumava ouvir ou se tonar algum vazamento de óleo e for comprovado que este óleo não é do motor.

Câmbio automático

Diferente do câmbio manual, o câmbio automático, via de regra, deve ser trocado. Quando? A lógica é a mesma: cada modelo exige uma periodicidade diferente e a resposta está no manual do carro.

Porém, em média, estas trocas devem ser feitas em elevadas quilometragens. Geralmente em 50 mil ou 100 mil quilômetros. É aconselhavel checar o nível desse fluido a cada 20 ou 30 mil km, pois há possibilidade de vazamentos.

Um dos motivos pelos quais o óleo da caixa de marcha deve ser verificado é devido a um eventual superaquecimento dos componentes, fazendo com que o óleo escureça e perca suas características de lubrificação. Além disso, o atrito entre suas partes móveis pode gerar pequenas partículas ou limalhas que o contaminam. Se seu carro com câmbio automático já rodou mais de 50 mil quilômetros e nunca se efetuou uma verificação, pode levá-lo para a oficina.

Se a troca do óleo do sistema de transmissão automática não for realizada, o acúmulo de impurezas pode entupir uma eletroválvula, por exemplo, causando um código de falha no painel e deixando a transmissão em modo de emergência. Caso isso aconteça, o custo de manutenção é exorbitantemente alto.

Quando realizada nos períodos corretos, a troca de óleo do câmbio previne desgastes prematuros nos componentes internos da transmissão, evitando eventuais danos ao veículos e até a necessidade de realizar uma manutenção muito mais cara e profunda.

A troca de óleo do câmbio deve ser realizada em um auto center especializado e capacitada com o maquinário adequado. Manualmente, o processo de troca de óleo do câmbio restringe-se apenas ao que está no reservatório. Ou seja, não é possível retirar o óleo que está dentro do sistema.

Sem a máquina é possível realizar apenas 75% do processo da troca de óleo do câmbio, enquanto a máquina realiza 100% do processo. Isso porque o óleo fica preso no conversor de torque, dentro do motor. Só com a utilização da máquina é possível pressurizar 100% deste óleo.

O processo manual deixa impurezas, o que pode entupir o sistema, danificar alguma solenoide ou até obstruir alguma canaleta do sistema, por onde passa o fluido.

A troca de óleo do câmbio deve ser feita com o óleo quente, por conta da densidade e aderência do óleo que será trocado automaticamente pela máquina, destacando a importância de rodar com o carro para verificar a real necessidade de se fazer a troca.

Informações extras

Quanto tempo demora para trocar o óleo da caixa de marcha automática?

O processo é simples e não muito demorado. Cada veículo vai exigir um tempo diferente. Em média, estima-se que o processo demora 3 horas, incluindo o tempo necessário para esquentar o carro.

Óleo do câmbio x Óleo da direção hidráulica

Fique atento em mais essa: geralmente, o mesmo cuidado e periodicidade de troca do óleo da caixa de câmbio automática, deve-se ter com o fluido da direção hidráulica.

Ela funciona com um fluido semelhante e exige trocas com altas quilometragens. E as recomendações de manutenção preventiva são as mesmas: verificar o nível (pois um vazamento pode fazer com que este baixe), verificar se está muito escuro por conta de superaquecimento e impurezas e trocar segundo o manual.

Lembre-se destes conselhos e evite problemas futuros. E na dúvida, leve seu carro a um auto center de confiança. Desconfia que está com algum problema na caixa de marchas? Procure o seu mecânico de confiança e tire suas dúvidas.